Programa

Para divulgar para amigos e interessados, no youtube


PROGRAMAÇÃO

16.35 Apresentação do FeFiCi e do Júri
16:40
Filmes a serem apresentados
nessa ordem, com apresentação de UM minuto dos autores, antes da exibição:
1. Corpo sonoro (2:39’)
de Isadora Totaro
2. Pompoarismo e Fisioterapia Pélvica (9:35’) de Mila Lailla Braz e Ana Luiza Pitarello.
3. Pulsar Artificial (4:56’) de Victória Intakli Giffoni
4. Sinestesia- uma diferente percepção (5:27’) de Júlia Reis e Paola Ferretti de Oliveira
5. Terapia Avatar (3:52’) de Beatriz Costa e Victor Tavares
6. O impacto da energia solar no mundo (4:06’) de Marcelo Augusto Spoglianti Ferreira
7. esse vídeo não existe (5:16’) de Pedro S. Borba
8. O Paradigma da Gravidade (5:00’) de Gustavo Zamorreño
9. Sonho, Logo Existo (6.34’) de Marcela Giannini e Laura Palma
10. Pulsar: Da ciência para a cultura pop (4:00’) de João Nestler, João Pedro Geraldini & Noel Bielecki
11. Pandemia da solidão (7:22’) de Marcelo Barbosa
12. Ypupiara: O Passado Presente (7:36’) de Artur Dias
13. Liofilização (3:19) de Andrea Teles e Amanda Zonaro
14. Não existe aprendizado sem comunicação (6.09’) de Eric Reinés 
15. Essa péssima ideia é talvez nossa última esperança – Geoengenharia (4:40’) de Tomás O’Keefe
16. Realidade Alternativa (7:05′) de Renata Rocha

18:00 Apreciação dos Jurados
18: 30 Premiação

Seleção de Filmes Científicos

  1. 2ⁿ – a story about the exponential growth of numbers raised to powers (1961, 2.05′)
    de Charles e Ray Eames
    Em 1961, a exposição interativa chamada Mathematica: A World of Numbers… and Beyond inaugurou a nova ala científica do Museu de Ciência e Indústria da Califórnia em Los Angeles. Patrocinado pela IBM, foi uma exposição inovadora projetada pelo casal Charles e Ray Eames que incluiu cinco pequenas animações que exploraram um punhado de conceitos matemáticos.

2. Cosmic Zoom
Direção de Eva Szasz – 1968 | 8 min
Eva Szasz /National Film Board of Canada
Cosmic Zoom (1968) é uma jornada sem palavras que tenta demonstrar a escala do universo. Começando com um menino navegando no rio Ottawa, viajamos para longe no espaço antes de voltar ao nosso mundo microscópico através de um mosquito que se alimenta.

3. Solar do-nothing-machine (1957/1990)
de Ray and Charles Eames

Em 1957, os Eames projetaram a MÁQUINA SOLAR PARA NÃO FAZER NADA. Fiéis à crença de que os brinquedos não são tão inocentes quanto parecem, a máquina foi um dos primeiros usos da energia solar para produzir eletricidade. Na década de 1990, Eames Demetrios descobriu uma filmagem não editada da máquina maravilhosa fez essa edição para compartilhar um pouco de seu sabor para as gerações futuras desfrutarem.